Seguradoras devem cobrir danos do veículo em enchente

0

As seguradoras cobrem os danos causados em veículos em enchente desde que não tenha sido por água salgadas ou o motorista tentou passar pelo alagamento. A indenização pode ser parcial ou total, neste último, se 75% do carro foi danifidado

Se você é um dos motoristas que foram pegos de surpresa em uma enchente em sua cidade, saiba que as seguradoras são obrigadas a cobrir os danos decorrentes de submersão total ou parcial do veículo, desde que o proprietário do veículo não “agravou o risco” e não for água salgada. O agravamento do risco é quando o motorista tenta passar pelo alagamento quando poderia ter estacionado o veículo em local não inundado à espera de baixar as águas.

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) definiu a submersão do veículo como um dos riscos básicos em 2004. Isso significa que os seguros básicos (proteção contra roubo, incêndio e, eventualmente, colisões e danos a terceiros) também cobrem a submersão do veículo, mas precisa ser contratada.

Seguradora deve cobrir prejuízo de veículos em enchentes
Seguro cobre danos do veículo que ficou num alagamento
Comprar carro usado precisa de alguns cuidados

Tendo cobertura, as seguradoras podem se recusar a cobrir os danos se o segurado, deliberadamente, tomou alguma atitude que aumentou o risco de submersão do veículo. Um exemplo é tentar atravessar um trecho alagado.

Conforme a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), o segurado deve pedir orientação à sua seguradora em caso de alagamento e dispensar os serviços de guinchos particulares. O resgate também cabe à seguradora.

É importante ainda solicitar informações do que poderá ser feito, como se pode ou não retirar o veículo do local sem a presença de um representante da seguradora, se ele pode ser ligado após a inundação, etc.

Lembre-se que se os prejuízos apurados pela seguradora for superior a 75% do valor do veículo, pode ser dada perda total e o segurado terá de pagar a franquia. Mas se a empresa de seguro definir pelo reparo, o prazo para a devolução do veículo é de 30 dias e o segurado deve receber relação de todos os itens que serão trocados, conforme o artigo 40 do Código de Defesa do Consumidor.

Providências após veículo em enchente

  • Lembre-se sempre de ficar atento sobre as condições do tempo na sua cidade antes de sair de casa, e se atenha aos pontos de alagamento, evitando-os;
     
  • Em caso de inundação, comunique imediatamente a corretora ou seguradora, e solicite um guincho para levar o veículo a um local seguro. É importante autorizar o conserto do veículo somente após a liberação da seguradora, que irá avaliar se há recuperação ou perda total;
     
  • Quando há recuperação: os danos parciais podem variar entre prejuízos ao motor, elétrica, funilaria, estofamento e acabamento. Caso haja seguro – e o valor não ultrapasse o estipulado pela franquia – há cobertura;
     
  • Quando não há recuperação: quando os danos ultrapassam 70% do valor do veículo se considera perda total e, portanto, a seguradora dá perda total. O motorista só será indenizado , no entanto, caso se comprove que não houve agravamento de risco desnecessário (como atravessar pelo alagamento).

Atualizado 18/01/2018

Fontes: Fenaseg, Susep, Proteste, Bidu Seguradora

Compartilhe.

Sobre o Autor

O Consumo em Pauta é um site com informações para o dia a dia do consumidor. Nossa missão é entregar aos leitores informações gerais sobre consumo, educação para o consumo e direitos e deveres de consumidores e fornecedores, além de dicas de como resolver pendências de conflitos de consumo. Nosso objetivo: relações de consumo menos conflituosas.