Os números dos procedimentos médicos dos planos de saúde em 2017

0

Com menos beneficiários no sistema, planos e seguros saúde realizam mais de 1,32 bilhão de procedimentos médicos no ano passado

O setor de saúde suplementar – planos e seguros saúde – bancou 1,32 bilhão de procedimentos médicos no ano passado entre consultas médicas, exames, terapias, outros atendimentos ambulatoriais e internações e eventos odontológicos. Este número equivale a 3,6 milhões por dia e representa um aumento de 3,2% em relação a 2016, quando foram feitos 1,29 bilhão de procedimentos médicos. Por sua vez, a quantidade de procedimentos assistenciais per capita aumentou em torno de 4,8% no período.





“Mesmo com a perda de beneficiários de planos médicos nos últimos anos {desistência de quase 400 mil beneficiários de planos de assistência médica em 2017}, constata-se o crescimento do número de procedimentos médicos realizados pela saúde suplementar, de um modo geral. Ao analisar esses dados, podemos indagar se não há desperdícios no sistema. Somos um dos países campeões em exames realizados de ressonância magnética e tomografia computadorizada, passando de 149, em 2016, para 162 por mil beneficiários no ano passado; e de 149 para 157, respectivamente”, explica Solange Beatriz Palheiro Mendes, presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde).

Com exceção do item consultas, que registrou pequena redução, os demais assinalaram crescimento do número de procedimentos médicos realizados: 11,2% de aumento nos atendimentos ambulatoriais e 10,3%, em terapias. As internações por mil beneficiários passaram de 170 para 180 entre 2016 e 2017, tendo apresentado um aumento de 6% no período.

Texto: FenaSaúde

Compartilhe.

Sobre o Autor

O Consumo em Pauta é um site com informações para o dia a dia do consumidor. Nossa missão é entregar aos leitores informações gerais sobre consumo, educação para o consumo e direitos e deveres de consumidores e fornecedores, além de dicas de como resolver pendências de conflitos de consumo. Nosso objetivo: relações de consumo menos conflituosas.