Quem Somos

Consumo em Pauta divulga notícias sobre consumo. Nossa missão é entregar aos leitores informações gerais sobre consumo, sobre direitos e deveres dos consumidores e fornecedores. Acreditamos que, por meio do conhecimento de deveres e direitos, consumidores e fornecedores podem estabelecer relações menos conflituosas. Assim, os dois lados do balcão ganham em tranquilidade, respeito ao Código de Defesa do Consumidor, em imagem e em lucro.

Construído por Angela Crespo, jornalista que há 25 anos escreve sobre direitos e deveres de consumidores e fornecedores em grandes veículos de comunicação, o Consumo em Pauta quer estabelecer uma relação de parceria com seus leitores, sejam eles cidadãos ou empresas.

No site há espaço para informações específicas para fornecedores (Atrás do Balcão), para consumidor (Tira-Dúvidas e Você tem Direito), além de espaço para os cidadãos relatarem seus cases de consumo, positivos e negativos (Aconteceu Comigo).

Nas demais colunas (Notícias, Destaques, Fique Ligado, Boas Práticas) tudo o que está acontecendo no dia-a-dia do mercado de consumo, com matérias sempre atuais.

Proteção
O Código de Defesa do Consumidor (CDC), na alínea II do capítulo II, sobre a Política Nacional de Relações de Consumo, diz que cabe aos governos proteger efetivamente o consumidor. Só que “proteger” não significa apenas criar mecanismos para defender a parte considerada mais fraca na relação de consumo. “Proteger” implica educação. É o conhecimento que possibilita ao cidadão, por si próprio, se defender. Na alínea II do Capítulo III, o CDC coloca como direito básico do consumidor a educação.
 
As empresas também precisam de conhecimento para “conversar” com seus clientes. A informação tem de estar disponível e de fácil acesso para que possa dirimir dúvidas de consumidores no momento em que elas aparecem. Para tanto, uma consulta ao Consumo em Pauta – versão internet ou móbile – poderá ser de grande utilidade para resolver pendências e evitar conflitos.
 
História
A Lei nº 8.078 (Código de Defesa do Consumidor), assinada em 11 de setembro de 1990 e que entrou em vigor em 11 de março de 1991, rege boa parte das relações de consumo no Brasil. Há ainda leis específicas, como a dos Planos de Saúde.
 
Um ano depois da entrada em vigor do CDC, outro evento chamou a atenção para as relações de consumo: a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro, em 1992, quando foi assinada a Agenda 21. Com a Agenda 21 começou-se a desenhar o conceito de sustentabilidade e consumo responsável.
 
A Agenda 21 aponta para as ações que os governos devem investir para a manutenção do equilíbrio do meio ambiente sem barrar o desenvolvimento. Entre elas, fortalecer o papel do comércio e da indústria para as práticas sustentáveis, mudanças nos padrões de consumo da população e destinação correta aos resíduos sólidos.